Notícias do Pará

por J

Desde a quarta-feira que esta que vos fala se encontra no Nortão do Brasil. O ENECOM desse ano está rolando em Belém do Pará, e eu estou curtindo muito esse movi. Além do cupuaçu, açaí, da tapioquinha de montão e do tecno-brega delícia, uma programação do caralho me espera nesse calorzão envolvente. Tirando as enchentes até na canela, os banheiros inóspitos e os salgados murchos, a viagem foi maravilhosa; nunca vi nada tão bonito quanto o pôr-do-sol do Tocantins. Ficou a vontade de conhecer mais.

Hoje foi apenas o credenciamento, mas ficou uma sensação maravilhosa. O tema do encontro, esse ano, não poderia ser mais propício à minha militância: Movimentos Sociais. Logo de cara, no caderno de textos, temos uma avaliação arretada de Conjuntura do governo Dilma – completa e crítica. Nada além do esperado de uma executiva que foi uma das primeiras a romper com a UNE. Os textos estão impecáveis. Um caderno exclusivo trata da criminalização dos Movimentos Sociais, com destaque para as questões do Pará.

Os Grupos de Discussão estão também afiadíssimos. Entre os temas, questões de gênero, raça, homossexualidade e PL 122, mobilização  urbana e passe-livre, indústria cultural…  são muitas alternativas sensacionais. Como só era possível escolher uma, optei pela discussão de descriminalização do aborto, porque acredito que seria a que tem mais a acrescentar ao Grupo de Combate às Opressões da ANEL – BH, onde atuo atualmente. Venho encontrando espaço para fortalecer a entidade dentro da Executiva; fiquei muito contente em perceber o reconhecimento da ANEL entre os independentes; estamos crescendo, e perceber isso é muito gratificante.

A sensação que fica, ainda no primeiro dia de encontro? Orgulho. Orgulho de minha executiva, de meu curso, de meus companheiros. Que o ENECOM comece! Estou muito, muito feliz.

Jullie tá empolgadaça, meeeu.

Anúncios